segunda-feira , 22 outubro 2018
Capa » Sistemas computadorizados

Sistemas computadorizados

Como as empresas devem se preparar para a nova lei geral de proteção de dados

Por Jeferson Propheta*. Leia Mais »

OMRON Brasil anuncia laboratório de inovação tecnológica para desenvolvimento da Indústria 4.0 no país

Proof of Concept é mais uma ação inovadora da OMRON na indústria de automação junto com a aquisição global de US$ 157 milhões da norte-americana Microscan, concluída em outubro do ano passado. Leia Mais »

Rastreabilidade: empresas fornecem soluções para adequação das linhas de produção

Para que as indústrias farmacêuticas atendam à legislação vigente e às regras que permeiam o sistema nacional de controle de medicamentos, algumas empresas oferecem soluções interessantes. Leia Mais »

Você sabe da importância do Data Integrity para sua empresa?

Nos dias atuais sabemos da importância de proteger os dados relacionados a todos os níveis dentro de uma organização. Leia Mais »

Evento gratuito: Fivecon chega a Goiás com o tema ‘Validação de Sistemas 4.0’

Depois da edição em São Paulo, agora é a vez de Anápolis (GO) sediar o Fivecon, que será realizado no dia 19 de setembro com o tema ‘Validação de Sistemas 4.0’ e reunirá profissionais da Validação de Sistemas, Garantia da Qualidade e T.I. das Indústrias de Ciências da Vida.

Inscreva-se gratuitamente aqui: https://lnkd.in/euwZtGv Leia Mais »

ISPE promove treinamento sobre o GAMP 5

A ISPE Brasil realiza entre 14 e 16 de agosto em São Paulo (SP) o treinamento “Validação de Sistemas Computadorizados seguindo o GAMP 5”. Leia Mais »

EMS e Bosch firmam parceria estratégica para implementar a primeira Indústria 4.0 no setor farmacêutico na América Latina

Máquinas conectadas elevarão a produção e trarão ainda mais eficiência aos processos da EMS. Leia Mais »

Indústria 4.0 deve atingir 21,8% das empresas brasileiras em uma década

A digitalização do processo produtivo industrial deve atingir 21,8% das empresas brasileiras em uma década, mostra pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Atualmente, o percentual é de 1,6%. Leia Mais »

Tecnologia de radiofrequência ajuda empresas de diversos setores a controlarem gastos e desperdícios

Pelo menos 17,2 milhões de bagagens são extraviadas por ano em todo o mundo durante viagens de avião, segundo a IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo). Apesar de o número representar apenas 0,43% do total de malas despachadas, esse é um problema que atinge milhões de pessoas. Entretanto, uma tecnologia já utilizada em diversos outros setores e que começa a ser implementada por companhias aéreas, pode diminuir este tipo de aborrecimento: o localizador por radiofrequência, chamado de RFID.

O sistema possui 2 componentes: um chip, para armazenamento de dados, e uma antena para transmissão dos mesmos que podem ser inseridos em uma etiqueta que, por sua vez, é colocada no produto a ser monitorado. Quando acionadas pelo leitor, as informações contidas no chip são visualizadas. Esse sistema permite localizar e identificar à distância os produtos etiquetados com rapidez e grande diversidade de dados. Atualmente, o maior fornecedor de RFID de ultra-alta frequência (UHF) no mundo é a americana Avery Dennison, líder em materiais autoadesivos para rótulos e embalagens.

 

 

Apesar de novo no transporte aéreo, o RFID já é utilizado por uma ampla gama de setores como varejo de vestuário, alimentos, entre outros. Muitas companhias agregaram a tecnologia de radiofrequência para gerenciamento de estoques e controle de perdas com intuito de alcançar mais agilidade, precisão e previsibilidade em toda a cadeia.

Na indústria farmacêutica, por exemplo, a tecnologia auxilia na autenticação da origem dos remédios, protegendo-os contra falsificações e também na redução de possíveis erros em inventários. Já na indústria alimentícia, o RFID vai, principalmente, acompanhar as datas de validade e temperatura, reduzindo também o desperdício.

 

“O RFID é uma oportunidade tecnológica para aumentar a eficiência e a rentabilidade da empresa em diversas vertentes que até pouco tempo atrás não eram possíveis. A segurança está entre os principais benefícios ao utilizar essa tecnologia revolucionária, pois é possível evitar roubos, falsificação e o uso indevido do produto final; também ajuda a reduzir o desperdício e aumentar a gestão da sustentabilidade e o engajamento dos clientes por meio de experiências personalizadas”, explica a gerente de desenvolvimento de negócios Fabiana Wu, da Avery Dennison.

No setor de cuidados com a saúde, por exemplo, clientes relataram retorno do investimento de até quatro dólares por medicamento rastreado com tags RFID. No setor de supermercados, a desperdício de comida pode ser reduzido em até 20%, representando uma economia global de US$ 22 bilhões através da utilização da tecnologia. Isso porque o sistema gerencia melhor os produtos de uma maneira mais ágil e mais precisa.

“Imagine um mundo em que os hospitais conseguem acessar instantaneamente o histórico médico de uma pessoa através de uma pulseira de identificação, onde as lojas de varejo são transformadas em showrooms de informação onde os clientes conseguem identificar o compromisso com a sustentabilidade dos produtos que eles escolhem, e as empresas farmacêuticas podem rastrear a jornada de cada medicamento produzido, desde o processo de fabricação até o paciente. Acredite ou não, cada uma dessas aplicações é viável agora através da tecnologia RFID” – completa Fabiana.

Rastreabilidade: guia auxilia setor regulado na implantação de sistemas

Guia traz orientações para facilitar a integração dos sistemas desenvolvidos pelo setor regulado com o SNCM.

A Anvisa lançou o Guia de Implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos (SNCM). Trata-se de um documento técnico que irá auxiliar o Setor Regulado a desenvolver os sistemas que transmitem dados de produtos para a Agência.

O Guia tem por objetivo definir especificações e critérios técnicos que irão orientar os membros da cadeia brasileira de movimentação de medicamentos na criação dos próprios sistemas. Assim, será possível fazer a integração dos sistemas desenvolvidos pelo setor regulado com o SNCM.

Confira o documento na íntegra.

Acesse também a página sobre Rastreabilidade de Medicamentos no portal da Anvisa, que traz outros conteúdos sobre o tema.

Fonte: Anvisa