terça-feira , 20 abril 2021
Capa » Notícias » Profissionais da Química são essenciais na produção do IFA, principal ativo das vacinas

Profissionais da Química são essenciais na produção do IFA, principal ativo das vacinas

Atuação se dá em todo o processo de produção e controle do componente farmacológico

Nos últimos dias, falou-se muito sobre o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), principal componente para a fabricação de vacinas, como a AstraZeneca/Oxford (Fundação Oswaldo Cruz) e a Coronavac (Instituto Butantan). Por trás dos holofotes em torno da nova sigla associada à Covid-19, estão também os profissionais da Química que são essenciais no processo de produção e controle desse componente farmacológico e ganham mais destaque no cenário atual.

O químico industrial e doutor em Vigilância Sanitária Ubiracir Fernandes Lima Filho, que é membro da Comissão Química Farmacêutica do Conselho Regional de Química da 4ª Região (CRQ IV), explica que a vacina é um produto farmacotecnicamente elaborado que contém, entre outras substâncias químicas, o IFA. Esse insumo é uma molécula complexa (macromolécula) derivada ou quimicamente semelhante ao microrganismo invasor particular, causador de doença. A molécula é reconhecida pelo sistema imunológico dos indivíduos submetidos à vacina e promove uma resposta, chamada de biossíntese de imunoglobulinas específicas, que o protege de uma doença associada àquele invasor.

“Durante o processo de desenvolvimento e produção, e mesmo o controle daquelas imunoglobulinas específicas presentes no organismo dos indivíduos imunizados, utilizam-se de métodos analíticos de respostas químicas destes biopolímeros em técnicas validadas, tais como aquelas que se baseiam em princípios eletroforéticos, fotométricos e outros. Neste sentido, na cadeia de processo, fundamentos da Química também acompanham pesquisadores multidisciplinares no desafio de produzir os imunizantes”, destaca.

O engenheiro químico e mestre em Engenharia Química Wilson Zeferino Franco Filho, que também é membro da comissão do CRQ IV, lembra que, neste momento, as produções das vacinas estão dependendo da chegada de novas remessas do IFA, que é importado de diversos fabricantes da China. “Nós já temos profissionais altamente especializados e condições de transformar esse insumo em vacinas. Aliás, o Brasil já teve seis unidades produtoras de vacinas e hoje conta com duas que estão lutando para entregar a AstraZeneca e a Coronavac. O que falta no país é priorizar os investimentos em ciência, saúde e na indústria farmacêutica, fundamentais para o futuro”, ressalta.

Para ele, além de enaltecer a importância do setor, a pandemia “escancarou” ainda mais a necessidade de aplicação de recursos, especialmente na produção local. Ele lembra que, recentemente, o Grupo União Química iniciou localmente o desenvolvimento da vacina contra a Covid-19, a Sputnik V, desenvolvida na Rússia a partir de um lote-piloto do IFA. Com as adequações na planta farmacêutica em Brasília, a expectativa é produzir 8 milhões de doses por mês no país.

Além disso, uma nova fábrica do Instituto Butantan está em construção da zona oeste de São Paulo, o que vai permitir produzir a vacina sem depender de insumos importados. Quando o recebimento do IFA estiver regularizado, a estimativa é que o Butantan possa fabricar um milhão de doses de CoronaVac diariamente.

A informação mais recente é que mais de 5,4 mil litros do IFA da CoronaVac já estão no Aeroporto de Pequim, na China, prestes a embarcar. A expectativa é que a carga chegue a São Paulo nesta quarta-feira (3), conforme anunciou o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas. A matéria-prima vai permitir a fabricação de mais 8,6 milhões de doses da vacina contra a Covid-19.

Valorização

Com a pandemia da Covid-19, a atuação dos profissionais da Química ganhou mais destaque pela versatilidade e desempenho em diversas áreas que impactam diretamente o dia a dia da população. Eles estão presentes na mobilização da comunidade científica e da sociedade em uma ampla rede de fabricação de produtos, pesquisas e desenvolvimento de novos equipamentos. Também atuam na divulgação de informações corretas, precisas e confiáveis.

“Por isso, é muito importante que, a partir de agora, tanto profissionais que estão no mercado, quanto estudantes que querem ingressar nos diversos cursos da área química, estejam preparados para enfrentar os desafios futuros e as oportunidades de atuar nas produções locais, atendendo às necessidades do país, sempre apostando na ciência e na saúde”, defende Franco Filho.

Cadastre-se para receber as matérias também via WhatsApp

Portais de Notícias 2A+

Conteúdos exclusivos, matérias, entrevistas, artigos, eventos e muito mais todo dia, a qualquer momento, para fazer de você o seguidor melhor informado.

Jornalismo feito por Jornalistas.

Integramos os elos entre a indústria, os fornecedores, o varejo e o consumidor. A Qualidade que seleciona seguidores de Qualidade.

Os fornecedores que prestigiamos são os nossos anunciantes.

Faça network com o mercado, não disperse tempo e dinheiro, anuncie conosco. Quem tem poder de decisão está nos Portais 2A+. 

The best way to access the Brazilian life sciences industry market.

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Fale com os gestores