sexta-feira , 12 abril 2024
Capa » Notícias » Mosquito da dengue e outras espécies invasoras causam prejuízo anual de até R$ 15 bilhões no Brasil

Mosquito da dengue e outras espécies invasoras causam prejuízo anual de até R$ 15 bilhões no Brasil

Estimativa ainda pode estar subestimada devido a lacunas em estudos sobre o tema, avaliam autores de relatório lançado pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos

Elton Alisson | Agência FAPESP – As espécies exóticas invasoras no Brasil, como os mosquitos do gênero Aedes, transmissores de vírus causadores da dengue, febre amarela, chikungunya e zika, causam um prejuízo anual de até R$ 15 bilhões para o país – valor que daria para construir 15 laboratórios de biossegurança máxima (nível NB4), como o que deve ser implantado em Campinas (SP).

A estimativa foi feita por um grupo de pesquisadores autores do “Relatório Temático sobre Espécies Exóticas Invasoras, Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos”, lançado nesta sexta-feira (01/03) pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES, na sigla em inglês), entidade criada em 2015 com apoio do Programa BIOTA-FAPESP.

De acordo com dados do estudo, são registradas no Brasil 476 espécies exóticas invasoras – como são chamados plantas, animais e microrganismos que são introduzidos por ação humana, de forma intencional ou acidental, em locais fora de seu hábitat natural. Esses organismos se reproduzem, proliferam e se dispersam para novas áreas onde, na maioria das vezes, ameaçam as espécies nativas e afetam o equilíbrio dos ecossistemas.

“Elas representam uma das cinco maiores causas de perda de biodiversidade em escala global”, diz Michele de Sá Dechoum, professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e uma das coordenadoras do relatório. As outras quatro são destruição de hábitat, mudanças climáticas, poluição e sobre-exploração de recursos naturais.

Segundo o levantamento, das 476 espécies exóticas invasoras registradas no Brasil, 268 são animais e 208 plantas e algas, em sua maioria nativas da África, da Europa e do Sudeste Asiático.

O mosquito Aedes aegypti, por exemplo, é originário do Egito, na África, e vem se espalhando pelas regiões tropicais e subtropicais do planeta desde o século 16, período das Grandes Navegações. O inseto chegou ao Brasil no período colonial.

Essas espécies intrusas estão presentes em todos os ecossistemas, com maior concentração em ambientes degradados ou com alta circulação de pessoas, e em todas as regiões do Brasil.

As áreas urbanas são vulneráveis a espécies exóticas invasoras devido ao grande tráfego de pessoas, commodities e mercadorias via portos e aeroportos, avaliam os autores.

“Mas nem as áreas mais preservadas estão imunes da invasão. São encontradas espécies invasoras em 30% das unidades de conservação no país”, sublinha Andrea Junqueira, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e também coordenadora do estudo.

A principal via de introdução é o comércio de animais de estimação e de plantas ornamentais e hortícolas, indica o estudo.

“A maioria das espécies invasoras causadoras de impactos negativos no Brasil foi introduzida intencionalmente, como a tilápia, o tucunaré, o javali e o caracol gigante”, afirmou Mário Luis Orsi, professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e também coordenador do estudo.

Ao longo de 35 anos – 1984 a 2019 – o prejuízo mínimo estimado em razão dos impactos ocasionados por apenas 16 espécies exóticas invasoras variou de US$ 77 bilhões a US$ 105 bilhões – uma média anual de US$ 2 bilhões a US$ 3 bilhões. Dentre essas espécies estão principalmente pragas agrícolas e silviculturais – responsáveis por um prejuízo acumulado no período de US$ 28 bilhões – e vetores de doenças, como o Aedes aegypti – causadores de perdas de US$ 11 bilhões no mesmo período.

As estimativas foram feitas com base em um levantamento dos prejuízos em termos de perdas de receitas e custos de manejo direcionados para ações de prevenção, controle e mitigação de impactos negativos de espécies exóticas invasoras reportados por órgãos do governo e empresas públicas e privadas.

Esses valores, contudo, podem estar subestimados já que o cálculo leva em conta apenas 16 das 476 espécies invasoras identificadas no território brasileiro e em razão de existir ainda muitas lacunas no país de avaliação e de valoração dos impactos de espécies exóticas invasoras, ponderam os autores.

“Os impactos são muito maiores do que imaginamos. Faltam estudos científicos sobre muitas espécies com alto potencial invasor. O ambiente marinho demanda maior atenção dado o potencial de prejuízo”, avalia Orsi.

Os prejuízos causados pelas espécies invasoras estão relacionados a perdas de produção e horas de trabalho, internações hospitalares e interferência na indústria de turismo.

Espécies invasoras, como o mexilhão-dourado, também acarretam sérios danos econômicos, afetando empreendimentos hidrelétricos, estações de tratamento de água e tanques-rede de fazendas aquícolas.

“Estima-se que a limpeza das bioincrustações pode chegar a R$ 40 mil por dia para uma usina de pequeno porte e, para grandes usinas, como a de Itaipu, esses valores atingem R$ 5 milhões diários pela paralisação das turbinas”, estimam os autores da publicação.

Cães e gatos domésticos

Dentre as espécies exóticas invasoras registradas no Brasil há animais e plantas considerados “carismáticos”, como cães e gatos domésticos, árvores ornamentais e algumas espécies de tartaruga e de primatas. Nesses casos, é mais difícil para os leigos entender o impacto que causam. Contudo, cães e gatos de estimação só se tornam uma ameaça quando soltos ou abandonados, ponderam os autores.

“Sobretudo se adentram áreas protegidas, onde podem transmitir doenças e caçar a fauna silvestre nativa, interferindo no equilíbrio ecológico local”, afirmam.

A disseminação de conhecimento sobre a origem de espécies exóticas invasoras e suas implicações negativas para a sociedade pode ajudar a reduzir a oposição popular frente ao manejo dessas espécies, avaliam os pesquisadores.

Dentre os casos de sucesso do engajamento público no manejo de espécies exóticas invasoras citados no estudo estão o programa de controle de pínus em dunas no Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição, em Florianópolis (SC), e o projeto Cipó Vivo, focado no controle de braquiária no Parque Nacional da Serra do Cipó (MG).

“Algumas empresas de produção madeireira estão eliminando espécies exóticas invasoras fora das áreas de produção, por exigência de certificadoras”, conta Dechoum.

O setor de geração de energia também tem sido um exemplo de reconhecimento do problema das invasões biológicas e vem seguindo agendas positivas na minimização dos impactos.

O Brasil, porém, não tem uma lista oficial, mas a base de dados nacional de espécies exóticas invasoras gerenciada pelo Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, sediado em Florianópolis (SC), tem sido uma fonte de referência. Os Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Distrito Federal e Bahia já instituíram suas listas oficiais.

“As listas são fundamentais e sem elas fica difícil e quase ineficaz qualquer planejamento de ações de manejo. Portanto, os Estados que possuem suas listas já estão um passo à frente”, diz Orsi.

Relatório Temático sobre Espécies Exóticas Invasoras, Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos pode ser baixado, mediante cadastro, neste link: www.bpbes.net.br/produto/relatorio-tematico-sobre-especies-exoticas-invasoras-biodiversidade-e-servicos-ecossistemicos/.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores