quarta-feira , 24 abril 2024
Capa » Notícias » GSK divulga pesquisa global que aponta que 86% das pessoas subestimam os riscos do herpes zoster

GSK divulga pesquisa global que aponta que 86% das pessoas subestimam os riscos do herpes zoster

Os dados serão divulgados durante a 3ª edição da Zoster Week, campanha de conscientização sobre a doença, que acontece entre os dias 26 de fevereiro a 3 de março

O herpes zoster é uma doença causada pelo vírus varicela zoster, o mesmo que provoca  catapora.Cerca de 94% dos brasileiros com 20 anos ou mais já estão infectados com o vírus,  que pode vir a ser reativado com o avanço da idade, principalmente, a partir dos 50 anos,  quando começa a ocorrer um declínio do sistema imunológico.2-4 A doença tem como  principal característica a dor provocada pelas lesões cutâneas, que podem surgir em qualquer  lugar do corpo, mas são mais frequentes no tórax, no abdômen e na face, seguindo os trajetos  dos nervos.2,3

Porém, a pesquisa ‘Equívocos sobre o Herpes Zoster’, lançada pela biofarmacêutica GSK como parte da campanha global Zoster Week, que vai ser realizada entre os dias 26 de fevereiro e 3 de março de 2024 para conscientizar sobre a doença, aponta que 86% dos entrevistados subestimam seus riscos de desenvolver herpes zoster.A análise avaliou a compreensão dos entrevistados sobre o zoster, o que o desencadeia e como a doença pode impactar suas vidas, e mostrou que a maioria menospreza sua gravidade.Os dados apontaram que 26% dos entrevistados acham que 1 em cada 100 pessoas corre o risco de desenvolver a doença, 17%  acredita que a proporção é de 1 em cada 1000, e 49% imagina ser pouco provável ter herpes zoster.Quando, na realidade, dados apontam que, aproximadamente, 1 em cada 3 adultos no mundo poderá sofrer com o zoster em algum momento da vida.3

“Estes resultados mostram uma clara necessidade de ampliar os nossos esforços de  conscientização sobre o impacto do herpes zoster. Como defensora global do envelhecimento  saudável da população, a GSK busca contribuir com o aumento do entendimento sobre a doença e ajudar os adultos a compreender os riscos e complicações associados a ela. O herpes  zoster pode ser debilitante e afetar significativamente a qualidade de vida dos pacientes. Nesta terceira edição da Zoster Week, pedimos às pessoas que conversem com um profissional de saúde para saber mais sobre a doença”, comenta o infectologista Jessé Reis  Alves (CRM 71991/SP), gerente médico de vacinas da GSK.

Os resultados da pesquisa também mostram uma falta de compreensão sobre a dor que o herpes zoster pode causar.Os sintomas mais comuns da doença são as dores intensas – descritas como sensação de queimadura, dor latejante, cortante ou penetrante, – formigamento/agulhadas, ardor e coceira locais, além da erupção de pequenas bolhas  agrupadas na pele e sintomas como febre, dor de cabeça e mal-estar.2,3 Mas 28% dos entrevistados acredita que a doença é “essencialmente inofensiva” e 1 em cada 10 pessoas  respondeu que não conhece seus sintomas mais comuns.1

No entanto, o herpes zoster pode deixar sequelas duradouras. A mais frequente delas é a  neuralgia pós-herpética, que pode afetar até 30% dos pacientes.3,5 A complicação é  diagnosticada quando a dor persiste por mais de 90 dias na área onde a erupção cutânea  ocorreu e pode durar anos.3,5 Outras decorrências do herpes zoster incluem: sequelas  oculares temporárias ou crônicas em pacientes com herpes zoster oftálmico, incluindo perda  de visão; superinfecção bacteriana das lesões; paralisias de nervos cranianos e periféricos; e  mais raramente, envolvimento visceral, como meningoencefalite, pneumonite, hepatite e  necrose retiniana aguda.2,3

A pesquisa ainda apontou que 90% dos entrevistados afirmaram que utilizam sites de busca  na internet para procurar informações relacionadas à saúde.Além disso, uma análise dos  dados de pesquisa globais do Google ao longo de 12 meses, a partir de setembro de 2022,  registrou um aumento de 600% nas pesquisas por “imagens dos estágios das lesões causadas  pelo herpes zoster”.Os resultados destacam o crescente interesse do público sobre o tema  e realçam a necessidade de mais orientações confiáveis sobre a doença nos meios digitais.6

Sobre a Zoster Week 

A terceira edição da Zoster Week no Brasil acontece entre os dias 26 de fevereiro e 3 de março  de 2024. A ação é uma campanha anual promovida pela GSK em parceria com a International  Federation on Ageing (IFA), que visa aumentar a conscientização da população sobre a  doença, seus riscos e gravidade ao redor do mundo, e incentivar o público, especialmente  pessoas com 50 anos ou mais, a conversar com seu profissional de saúde. Este ano, 38 países  participam da iniciativa.

Sobre a pesquisa 

A pesquisa ‘Equívocos sobre o Herpes Zoster’ foi realizada de forma online em 12 países (Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, EUA, Índia, Itália, Japão, Portugal e  Reino Unido), em nome da GSK. Foram entrevistados 3.500 adultos com 50 anos ou mais  entre os dias 16 e 18 de agosto de 2023. Os dados foram coletados a partir de 18 perguntas  que abrangeram o conhecimento e as dúvidas do público sobre a doença.1

Material destinado ao público em geral. Por favor, consulte o seu médico. 

Sobre a GSK 

A GSK é uma biofarmacêutica multinacional, presente em mais de 80 países, que tem como  propósito unir ciência, tecnologia e talento para vencer as doenças e impactar a saúde global.  A companhia pesquisa, desenvolve e fabrica vacinas e medicamentos especializados nas áreas de Doenças Infecciosas, HIV, Oncologia e Imunologia/Respiratória. No Brasil, a GSK é líder nas  áreas de HIV e Respiratória e uma das empresas líderes em vacinas. Para mais informações,  visite GSK. 

Referências: 

1. Shingles Misconceptions Map Survey (Australia, Brazil, Canada, China, Germany, India, Italy, Japan,  Portugal, South Korea, United Kingdom, United States). Pesquisa realizada em nome da GSK em 18 de  agosto de 2023; 

2. BRASIL. Ministério da Saúde. Herpes (Cobreiro). Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt br/assuntos/saude-de-a-a-z/h/herpes> Acesso em: 22 de janeiro de 2024; 

3. Harpaz R, et al. Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP), Centers for Disease Control  and Prevention (CDC). Prevention of herpes zoster: recommendations of the Advisory Committee on  Immunization Practices (ACIP). MMWR Recomm Rep. 2008;57(RR-5):1-30; 

4. CLEMENS, S. Et al. Soroepidemiologia da varicela no Brasil – resultados de um estudo prospectivo  transversal. Jornal da Pediatria, v. 75, n. 433-441, 1999; 

5. KAWAI, K.; GEBREMESKEL, B. G.; ACOSTA, C. J. Systematic review of incidence and complications of  herpes zoster: Towards a global perspective. BMJ Open, v. 4, n. 6, 2014; 

6. Aumento anual nas pesquisas por “herpes zoster” e consultas relacionadas em todo o mundo, de  setembro de 2022 a setembro de 2023. Disponível em: <https://trends.google.com/trends/>. Acesso  em: Outubro de 2023.

NP-BR-HZU-PRSR-240001 – Fevereiro/2024

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores