segunda-feira , 17 janeiro 2022
Capa » Notícias » Entidades de saúde denunciam intervenção em mercado de medicamentos

Entidades de saúde denunciam intervenção em mercado de medicamentos

Manifesto com mais de 400 assinaturas afirma que mudanças propostas pelo Ministério da Economia podem encarecer remédios e agravar crise sanitária no país

São Paulo, 28 de setembro de 2021 – Mais de 50 entidades ligadas à saúde pública e quase de 400 profissionais, acadêmicos, autoridades e cidadãos denunciaram, nesta quinta-feira (23), movimentos do Ministério da Economia para desmontar o sistema de regulação do mercado de medicamentos, hoje centrado na Cmed (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos).

Entre os signatários estão organizações como o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), a Abrasco (​​Associação Brasileira de Saúde Coletiva), o Cebes (Centro Brasileiro de Estudos de Saúde), a Univisa (Associação dos Servidores da Anvisa), a Abia (Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids), a UAEM (Universidades Aliadas por Medicamentos Essenciais), a AME (Amigos Múltiplos pela Esclerose), o CDD (Crônicos do Dia a Dia) e a SBPC (Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência).

O manifesto faz críticas à consulta pública aberta pela pasta para alterar as regras de precificação de medicamentos. O processo teve início no final de julho e o prazo para o envio de contribuições termina no próximo domingo (26). Segundo os signatários, a proposta pode beneficiar a indústria farmacêutica e provocar aumento nos preços nas farmácias e nas compras públicas. As entidades denunciam, ainda, que o processo não está justificado e que foi conduzido com pouca transparência e pluralidade.

Como exemplo, o manifesto menciona a criação de uma nova categoria de precificação que permitiria a subida de preços de medicamentos com inovação incremental – aqueles que trazem uma novidade, mas não representam necessariamente um grande avanço ou benefício para os pacientes.

Na tarde de ontem (22), a consulta pública também foi alvo de uma recomendação do CNS (Conselho Nacional de Saúde), que pediu a suspensão do processo. O órgão sustenta que não há estudos suficientes para avaliar o impacto das mudanças na sociedade e pede a realização de audiências públicas para ampliar o debate.

Transferência ao Ministério da Economia

Outro trecho do manifesto menciona as ameaças feitas por autoridades e representantes do Ministério da Economia de retirar a Cmed da arquitetura da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que hoje exerce a secretaria-executiva do órgão. A mudança poderia ser feita apenas por decreto do governo federal. De acordo com as entidades, a pasta “não tem qualquer competência para exercer essa função, por carecer de equipes técnicas da área da saúde” e a mudança “representaria um golpe fatal na estrutura regulatória do mercado de medicamentos brasileiro”.

“Seu impacto imediato, previsivelmente, será uma proteção ainda maior a empresas já acostumadas a níveis baixíssimos de transparência e accountability e, do lado dos consumidores e dos gestores públicos de saúde, a redução ou a extinção dos mecanismos regulatórios que limitam preços e abusos nas pontas do mercado – ainda que de maneira insatisfatória”, diz trecho do documento.

As organizações defendem que a regulação do mercado de medicamentos foi importante para controlar preços na década de 1990 e que sua modernização e adequação é fundamental, mas em outros moldes. Como bom exemplo, mencionam o projeto de lei 5591/2020, de autoria do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que permite reajustes negativos, atualiza os critérios para a precificação de medicamentos e impõe novos requisitos de transparência à indústria farmacêutica.

“O pacote de maldades para o sistema regulatório do mercado de medicamentos que se desenha pode aumentar ainda mais o preço dos remédios no Brasil e agravar a crise econômica e sanitária vivida pelas famílias. Além de dificultar a concretização do direito fundamental à saúde, essas medidas também têm o efeito de prejudicar o orçamento do Estado e a sustentabilidade de políticas públicas nos âmbitos estadual e municipal”, conclui o manifesto.

Clique aqui para ler o documento na íntegra.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Fale com os gestores