sábado , 2 março 2024
Capa » Home » Hemobrás assumirá função estratégica na tecnologia da indústria nacional
Hemobrás assumirá função estratégica na tecnologia da indústria nacional
Foto: Ascom; Hemobrás

Hemobrás assumirá função estratégica na tecnologia da indústria nacional

A Hemobrás (Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia) assumirá a missão de promover a interação sistêmica entre o setor público, o setor privado e as instituições de ciência e tecnologia, direcionando todo o esforço tecnológico da indústria nacional para atender às necessidades da população. A Empresa terá um papel de centralidade dentro do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Complexo Econômico-Industrial da Saúde (Ceis) do Governo Federal, considerado um promissor vetor do desenvolvimento da política brasileira.

As diretrizes, estratégias e funções da Hemobrás foram anunciadas no Recife, em encontro do novo presidente do Conselho de Administração da empresa (CADM), Carlos Gadelha, com o presidente da Hemobrás, Antonio Edson de Lucena, a Diretora de Administração e Finanças, Luciana Silveira, e gestores do corpo funcional. Seis conselheiros estiveram presentes.

“A Hemobrás é um dos pilares estratégicos e representa a entrada do Nordeste na quarta revolução industrial para atender à população com hemoderivados e produtos de biotecnologia, que estão na fronteira tecnológica mundial”, pontuou Gadelha, após elencar o volume de investimentos recentes anunciados e falar da intenção do Governo Lula de redimensionar a importância da empresa, colocando o seu fortalecimento como prioridade da gestão. Além de presidente do CADM, Gadelha é Secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Complexo da Saúde do Ministério da Saúde.

No encontro, tratou-se ainda da tarefa do Estado como indutor do desenvolvimento econômico e da estreita relação entre economia, saúde e demandas sociais para o bem-estar dos brasileiros. Um tripé que estabelece uma relação direta com as atribuições da Hemobrás. Na abertura do evento, o presidente Antonio Edson de Lucena fez um agradecimento público ao corpo funcional da empresa: “Todas as conquistas da Hemobrás este ano são mérito de todos vocês”, disse.  “A Hemobrás é um patrimônio do povo brasileiro e não falamos só de futuro. Hoje, a Hemobrás já faz parte da vida de milhares de pessoas, fornecendo hemoderivados e recombinante, e logo vamos ganhar escala ainda maior com a produção 100% nacional das duas fábricas. É uma alegria imensa ver a concretização de um sonho e saber que teremos condições de oferecer mais qualidade de vida para outras milhares de pessoas”, afirmou Antônio Edson de Lucena.

A reunião anual do Conselho Administrativo sob a liderança de Carlos Gadelha adotou um modelo inovador e propositivo, marcado pela escuta ativa de gestores. Gadelha respondeu às dúvidas e sugestões dadas pelos funcionários no campo estratégico. Segundo ele, foi uma grande mobilização para reforçar que saúde é desenvolvimento e a Hemobrás é um dos grandes eixos estratégicos da nova política nacional. O presidente do CADM destacou a importância do desenvolvimento de um projeto pautado pela interação, ao mesmo tempo olhando para as necessidades do país e da região Nordeste. Ex-presidente da Caixa Econômica Federal e hoje conselheira da Hemobrás, Maria Fernanda Coelho frisou o papel estratégico da Hemobrás na defesa da soberania nacional e fez questão de enfatizar a capacidade e potencialidade da empresa.

O representante do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) no CADM, Leonardo Vilela, enfatizou o momento desafiador vivido pela Hemobrás, com a perspectiva de entrega da Fábrica de medicamentos recombinantes e a finalização da Fábrica de Hemoderivados, assim como a previsão do início da operação totalmente nacional quase de forma concomitante nas duas unidades. “Esse é um momento crucial. Nós precisamos demonstrar ao Brasil que nós temos capacidade de fazer essa produção, que nós não devemos nada a outros países desenvolvidos”, disse, comparando o potencial da Hemobrás ao de outras duas instituições referências na área de tecnologia nacional, a Fiocruz e o Instituto Butantan, que trabalham com a tecnologia nacional “aplicada em benefício de suas e benefícios do povo brasileiro”.

Do Conselho, além de Carlos Gadelha, estiveram presentes Ana Paula Teles Ferreira Barreto e Diego Pessoa Gomes (ambos representante do Ministério da Saúde), Maria Fernanda Ramos Coelho (do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos), Leonardo Moura Vilela  (do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, CONASS), Pedro Canísio Binsfeld (do Ministério da Saúde/SINASAN) e Hélio Ricardo Ferreira Couto (do Corpo Funcional da Hemobrás).

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores