segunda-feira , 22 abril 2024
Capa » Canal Logística » Lacunas na autorização para transporte de medicamentos
Lacunas na autorização para transporte de medicamentos
Jackson Campos. Divulgação

Lacunas na autorização para transporte de medicamentos

Por Jackson Campos, especialista em logística internacional farmacêutica e Diretor de Relações Governamentais da AGL Cargo

No nosso dia a dia, nos deparamos com uma ampla variedade de produtos e estabelecimentos que estão sujeitos à regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dentre esses produtos, os medicamentos ocupam um lugar de destaque e recebem atenção especial por parte da agência. No Brasil, a principal missão da Anvisa é garantir a segurança, qualidade e eficácia desses produtos ao longo de todo o seu ciclo, desde a produção até o consumo, garantindo que todos os envolvidos sigam padrões e procedimentos rigorosos para evitar riscos à saúde dos consumidores.

Um dos elementos-chave dessa regulamentação é a exigência da Autorização de Funcionamento (AFE) para empresas que atuam no transporte de medicamentos. Essa autorização é concedida após uma análise detalhada pela Anvisa, afirmando que as empresas atendem aos requisitos técnicos e sanitários necessários para realizar suas atividades de forma responsável e segura. Com a AFE, essas empresas podem realizar uma série de atividades essenciais, como fabricação, importação, exportação, distribuição, armazenamento, transporte, fracionamento e comercialização de medicamentos, contribuindo assim para a integridade e confiabilidade do sistema de saúde no país.

No entanto, uma lacuna surge quando observamos que outros participantes da cadeia logística, como agentes de carga, armadores e companhias aéreas, não estão sujeitos às mesmas exigências regulatórias. Isso levanta sérias preocupações sobre as regulamentações e a garantia da segurança no transporte de medicamentos. 

Isso porque, embora esses atores possam não lidar diretamente com os produtos, sua influência indireta na integridade e qualidade dos medicamentos é inegável. Fatores como prazos de entrega, condições de transporte e manuseio das cargas podem afetar consideravelmente a segurança e eficácia desses medicamentos.

Além disso, muitas vezes, as empresas transportadoras e terminais são responsáveis por atividades que vão além do simples transporte, como armazenamento em condições específicas de temperatura e umidade, controle de estoque e rastreabilidade dos produtos. Essas atividades exigem um nível mais elevado de controle e monitoramento, justificando a necessidade de regulamentação mais rigorosa por parte da Anvisa.

Diante desse contexto, destaco a importância de repensar as normas existentes e explorar maneiras de garantir uma abordagem mais completa e uniforme no transporte de medicamentos. Isso pode implicar na revisão das exigências de Autorização de Funcionamento (AFE) para abranger outros participantes da cadeia logística, além do reforço da fiscalização e monitoramento pela Anvisa. O objetivo é garantir que todas as etapas do transporte sejam conduzidas de acordo com os mais elevados padrões de qualidade e segurança, com um foco primordial na preservação da saúde pública no Brasil.

Saiba mais sobre Jackson Campos: Diretor de Relações Institucionais da AGL Cargo, autor do livro Venda por telefone sem precisar visitar: Um guia para serviços de comércio exterior, Campos atua com comércio exterior e relações governamentais há anos, o que o coloca em posição de destaque para abordar quaisquer desdobramentos relacionados à importação, exportação, comércio exterior e lobby dentro da logística farmacêutica internacional. O especialista que também é Fellow do CBEXs possui facilidade em explicar todos os processos e etapas que fazem parte do ciclo de vida de um determinado produto, desde a movimentação de seus insumos até a sua entrega no cliente, desvendando dados, estatísticas e revelando os percalços do comércio exterior. Saiba mais em: Jackson Campos

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores