terça-feira , 27 fevereiro 2024
Capa » Artigos técnicos » Importação de medicamentos: o que não aprendemos com a pandemia
Importação de medicamentos: o que não aprendemos com a pandemia

Importação de medicamentos: o que não aprendemos com a pandemia

Por Jackson Campos*

A Logística Farmacêutica nunca esteve no centro das atenções como no início do ano de 2020. O setor que já se encontrava em expansão desde 2018, teve uma crescente demanda nos últimos dois anos, seja em função da procura por remédios, produtos de higiene ou então pela tão esperada vacina.

E muito além da corrida em descobrir a vacina da Covid-19 cientificamente, também houve um enorme desafio a ser encarado pela logística farmacêutica: a disponibilidade e distribuição efetiva desses materiais dentro de um tempo calculado – e num colapso sanitário hospitalar nunca vivido antes.

A verdade é que todos os processos foram realizados corretamente, e cada ponto crítico da etapa de importação foi analisado para evitar interrupção em um momento de necessidade.  A convite do Sindusfarma, me reuni com diversos órgãos governamentais numa campanha no instituto chamado PROCOMEX, onde produzimos cartilha de importação da vacina da Covid-19, ela foi um guia para todos os passos da importação da vacina, desde a sua origem até a entrega final.

Dada a largada, tivemos dois meses intensos de trabalho para que a vacina ficasse, no tempo máximo 15 minutos ou menos do que 15 minutos no aeroporto, e assim enviada, sem entraves, para o importador.

Com o objetivo de que esses gargalos fossem encontrados, alguns grupos foram divididos, e eu fiquei responsável por dois, o grupo de importação e o de retorno e embalagem vazia. Enquanto outros intervenientes do processo de importação trabalhavam para que tudo acontecesse muito rápido, e a carga já chegasse liberada na alfândega.

Também participaram da iniciativa, a Receita Federal, a Secex, a CNT, aeroportos e concessionários de aeroportos, a Anvisa e diversos outros órgãos que têm alguma intervenção no momento da importação ou distribuição nacional.

É notório que a pandemia foi um catalisador de mudança na logística farmacêutica e que o setor ganhou destaque no mercado, tornando-se um coeficiente fundamental no combate à pandemia, logo, ao retorno à normalidade da vida.

E eu sempre me pergunto: se deu tão certo com a vacina, por que não replicar para toda cadeia de medicamentos? Por que não contar com uma infraestrutura adequada para que esses medicamentos cheguem aos consumidores de maneira mais rápida e com custos menores?

Ressalto a importância de uma logística inteligente nos próximos anos – com menos chance de falhas, sem burocracias, com mais processos e estratégias eficientes, a fim de manter o objetivo que nos uniu na pandemia:  oferecer insumos acessíveis para todos num curto espaço de tempo.

*Jackson Campos é Diretor de Mercado Farmacêutico e Relações Institucionais da AGL Cargo

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores