domingo , 19 maio 2024
Capa » Artigos técnicos » Como potencializar os resultados do centro de distribuição?

Como potencializar os resultados do centro de distribuição?

Por Fabrício Santos*

Dezembro de 2022 — Quando pensamos sobre a importância que a logística tem para uma empresa, geralmente apontamos o dinamismo das atividades como um diferencial. Neste contexto, os centros de distribuição (CDs) se tornam uma peça-chave para os negócios, pois nestes espaços físicos é possível armazenar e gerir o fluxo de mercadorias de maneira estratégica, dando agilidade aos demais processos da cadeia logística.

Quando existe uma boa gestão no centro de distribuição, toda a organização ganha. Com um acompanhamento contínuo e apoio tecnológico, é possível identificar quais dificuldades são recorrentes e tomar ações que simplifiquem a rotina. Isso é feito a partir de medidas corretivas e preventivas, tornando as empresas mais qualificadas e garantindo a satisfação do cliente. Posto isso, abaixo seguem cinco estratégias para aperfeiçoar o trabalho nos centros de distribuição:

  1. Organize seu inventário: na logística moderna o ideal é realizar inventários rotativos diários. Isso porque, depois de um determinado período, as organizações terão contado todo o estoque sem ter parado toda a operação, o que evita custos desnecessários. Os inventários rotativos são mais rápidos e fáceis de realizar e apurar, pois caso seja encontrado algum erro, aconteceu há pouco tempo. Outro ponto crucial também é fazer a contagem a partir do fluxo de saída, tendo uma ordem recorrente, sem esperar por um inventário geral.
    Além disso, estabelecer uma metodologia para organizar o armazém também vai evitar rupturas ou excesso de itens. A organização dos inventários por ruas é um bom exemplo disso, pois, nesse modelo, os produtos são identificados por placas numéricas que agilizam o rastreamento no momento do picking, assim como facilitam a localização das prateleiras e porta-paletes disponíveis para armazenar ou repor novos produtos.
     
  2. Adote um layout dinâmico: o mais indicado é que as empresas tenham total conhecimento sobre a estrutura disponível no seu CD, além de medir o tamanho do galpão em função das entradas e saídas de produtos para organizar os de maior giro em áreas de acesso facilitado. Outro ponto de atenção é a sazonalidade dos produtos, já que ela interfere nessa dinâmica de acordo com cada época.
     
  3. Implemente recursos tecnológicos: para que a armazenagem seja feita da melhor forma possível, as empresas podem usar tecnologias que facilitam a gestão e a organização, como os ERPs (Enterprise Resourse Planning), além de soluções mais específicas, como o WMS (Warehouse Management System). Além disso, existem equipamentos que facilitam o dia a dia, como smartphones e coletores de dados ou até mesmo empilhadeiras e transpaleteiras. Esses itens não só dão mais assertividade para a rotina como também melhoram a dinamicidade da equipe. Os recursos tecnológicos hoje são o melhor investimento para que as atividades no seu centro de distribuição fluam com maior naturalidade. São eles que permitem o trabalho com dados e a diminuição na incidência de erros, além da redução de custos com mão de obra e do ganho de produtividade.
     
  4. Gerencie as entregas e trajetos: considerando que os clientes estão se tornando cada vez mais exigentes em relação ao tempo em que recebem seus pedidos, tornou-se essencial que as empresas realizem uma boa gestão de entregas. O carregamento dos veículos de forma roteirizada é um bom exemplo disso, pois garante maior produtividade e assertividade das entregas. Esse processo pode demorar um pouco mais de tempo dentro do CD, mas traz uma diminuição significativa no tempo de entrega, possibilitando que os pedidos cheguem de acordo com o esperado e que os gastos com combustíveis sejam minimizados.
     
  5. Invista em um indicador de desempenho: adotar parâmetros para avaliar se há ou não evolução da empresa é fundamental. No caso dos centros de distribuição, os indicadores podem variar entre os que monitoram a performance individual dos operadores, o giro de estoque ou o gerenciamento de pedidos, quantidade de avarias e índice de devoluções, entre outros.

Ao adotar essas medidas, as empresas potencializam os seus processos, garantindo a comunicação entre os setores e a satisfação do cliente, o que irá contribuir para o diferencial logístico e uma atuação em conformidade com os líderes de mercado.

*Fabrício Santos é diretor da onBlox, empresa do Grupo Máxima que desenvolve softwares logísticos comercializados em módulos para a cadeia de abastecimento. Com formação em análise de sistemas pela Universidade Salgado de Oliveira, o executivo atuou por mais de 12 anos na PC Sistemas (atual Totvs), onde desenvolveu vasta experiência na construção de sistemas.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores