segunda-feira , 16 setembro 2019
Capa » Notícias » Minas receberá cinco novos grandes empreendimentos da indústria farmacêutica até 2021

Minas receberá cinco novos grandes empreendimentos da indústria farmacêutica até 2021

Até 2021, cinco empresas vão abrir unidades em Montes Claros, Poços de Caldas e Pouso Alegre.

Minas Gerais vai receber até 2021 pelo menos cinco novos grandes empreendimentos da indústria farmacêutica, que vão investir, juntos, R$ 737 milhões no Estado e gerar cerca de 2.800 empregos diretos. Os aportes serão feitos nas cidades de Montes Claros, no Norte do Estado, com duas unidades, Pouso Alegre, também com duas novas empresas, e Poços de Caldas, ambas no Sul.

Em Montes Claros, a Sanval, do grupo Hipolabor, vai abrir uma fábrica de comprimidos diversos (de antibióticos a antidepressivos), com investimentos de R$ 60 milhões e a abertura de 200 empregos diretos até 2021. O grupo vai ainda expandir uma unidade já instalada no parque industrial da cidade, concluindo investimento de R$ 150 milhões até o fim deste ano, com a abertura de 600 novos postos de trabalho.

Também na cidade do Norte de Minas, a Eurofarma vai consolidar um parque industrial de 150 mil m², aplicar R$ 149 milhões na economia local e criar 400 novos empregos nos próximos três anos.

Pouso Alegre também recebe duas empresas. São elas a Biolab, que investe R$ 400 milhões, com a geração de 800 postos de trabalho até 2021, e a Cimed, que confirmou nesta segunda-feira (26) com o governador do Estado, Romeu Zema (Novo), aportes de R$ 100 milhões na cidade e a previsão de 500 novos empregos no mesmo período. Ainda no Sul de Minas, em Poços de Caldas, a Myralis aplicará R$ 28 milhões até 2021 e empregará mil pessoas nos próximos três anos.

De acordo com a Agência de Promoção de Investimento de Minas Gerais (Indi), que é uma das articuladoras dos novos investimentos, a chegada das iniciativas faz parte de um projeto estratégico para a economia mineira, que viu no avanço do setor uma oportunidade para o Estado. A previsão do órgão é triplicar o faturamento anual do setor de R$ 3,18 bilhões, em 2018, para R$ 9 bilhões daqui a cinco anos. “O crescimento não é aleatório, mas parte de uma estratégia robusta, baseada em inteligência de mercado e parcerias entre governo e iniciativa privada”, explica o diretor do órgão, João Paulo Braga. Ele ressalta que os novos empreendimentos vêm em um cenário de aumento da competitividade do Estado para esse setor da indústria.

A percepção é compartilhada pelo presidente do grupo Hipolabor, Renato Alves. O executivo afirma que ancorar as empresas em Minas Gerais é um movimento estratégico e logístico. “Há boa malha aérea, o acesso logístico é fantástico e existe uma forte cultura industrial aqui”, conclui.

Em 2017, a receita líquida da indústria farmacêutica avançou 15,44% em Minas Gerais, quase cinco pontos percentuais acima da média nacional, de 10,61%, de acordo com um estudo produzido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado pelo Indi. A pesquisa também demonstrou que o setor emprega cerca de 8.900 pessoas no Estado em mais de 90 empreendimentos.

Incentivo

De acordo com o Indi, a região Norte de Minas vem se fortalecendo como polo industrial por causa de vantagens tributárias e fiscais oferecidas para cidades que estão no escopo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Aliadas à facilidade logística do Sudeste do país, fatores como a redução de até 75% no Imposto de Renda aplicado a novos empreendimentos e possibilidade de isenção do ICMS têm atraído investidores.

Fonte: O Tempo

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*