segunda-feira , 17 janeiro 2022
Capa » Notícias » Uso correto de dados amplia oportunidades de negócios, diz KPMG

Uso correto de dados amplia oportunidades de negócios, diz KPMG

Compilar e analisar dados com as extraordinárias ferramentas e recursos de hoje permite que empresas orientadas por dados, de diferentes setores, melhorem e personalizem o relacionamento com clientes, desenvolvam produtos inovadores e impulsionem o crescimento. Além disso, aproveitar os dados do consumidor com sabedoria está se tornando fundamental e colocar a confiança no centro dessas iniciativas é vital para transformar riscos em oportunidades de diferenciação e crescimento dos negócios na era digital. Essas são algumas das conclusões da pesquisa “Um ato de equilíbrio: privacidade, segurança e ética”, conduzida pela KPMG. “À medida que as organizações avançam para a nova realidade e buscam capitalizar os dados e impulsionar o crescimento, especialmente por meio de canais digitais, elas devem permanecer conscientes que os dados comercializados ainda pertencem aos seus clientes, que têm o direito de acessar, retificar, restringir e remover as informações sensíveis ou confidenciais compiladas, analisadas e compartilhadas. Além disso, na busca por uma composição inteligente de dados, que revelem vantagens competitivas, os executivos devem tornar a privacidade integrante na maneira como conduzem seus negócios”, afirma Leandro Augusto, sócio-líder de Cyber Security da KPMG no Brasil. A pesquisa destacou ainda que, para proteger e aumentar a confiança dos clientes na busca por novos valores e vantagens, as empresas precisarão criar controles que reconheçam e facilitem os direitos do público em relação ao uso de dados. Com o objetivo de ajudar a garantir que as organizações estejam atuando na composição correta de dados, produzindo resultados saudáveis e sustentáveis, as organizações devem: – Apoiar e definir uma visão de governança de dados, em que o uso e a proteção adequados estejam no centro da estratégia e estritamente alinhados aos objetivos do negócio – Entender realmente os desafios na criação ou aquisição de dados, além de riscos e balanceamentos relacionados com preocupações e expectativas dos clientes – Entender o valor que os dados significam para a sua organização – Equilibrar consumo e comercialização de dados observando – Não usar o ativo em demasia, a ponto de diminuir o seu valor Além disso, para capitalizar os dados como uma fonte de vantagem competitiva, as organizações estão se esforçando para determinar: – Como os dados pessoais podem ser monetizados, para abrir novos fluxos de receita – Como o público em geral perceberá a inovação no uso de seus dados – Quanto investir em privacidade, à medida que os direitos dos titulares de dados e o panorama regulatório evoluem – Como lidar com o paradoxo da privacidade, considerando a inconsistência aparente entre as preocupações do cliente sobre privacidade e comportamento on-line real – Como as práticas de processamento de dados serão percebidas do ponto de vista da segurança e da ética, pelo crescente número de vigilantes examinando o uso de dados pessoais – Como a pandemia pode mudar as atitudes dos clientes em relação ao processamento de seus dados pessoais “O uso estratégico de dados pode abrir caminho para o sucesso das organizações diante da nova realidade. O acesso aos dados corretos, no momento certo, para gerar insights oportunos, precisos e acionáveis, sendo fundamental para aumentar a confiança e a fidelidade da marca, identificar novos segmentos de clientes, capitalizar as tendências emergentes do mercado, entregar produtos e serviços inovadores e alcançar uma vantagem competitiva no mundo pós-pandemia”, afirma Samara Schuch, sócia de Cyber Security e Privacidade da KPMG no Brasil. Para ajudar a moldar as empresas orientadas por dados, que usam esse recurso para objetivos estratégicos de negócios, os profissionais de dados devem criar uma estratégia holística de dados, que coloque a proteção de dados no centro dos negócios orientados por dados e insights. Uma estratégia de dados integrada deverá incluir percepções críticas sobre: a qualidade dos inventários de dados existentes e quando ou quais os tipos de novos dados precisam ser coletados; se os clientes existentes e potenciais confiam na organização; práticas inovadoras para implementação futura e para fortalecer a confiança. Segundo a pesquisa da KPMG, os profissionais de proteção de dados precisarão adotar processos cíclicos, para: monitorar risco e controles de privacidade e segurança; conduzir avaliações de impacto de privacidade, cibernético e ético; atualizar seu inventário e identificar como as soluções de Inteligência Artificial ou aprendizado de máquina abrem caminho para novos propósitos de processamento.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Fale com os gestores