sábado , 4 dezembro 2021
Capa » Medicina » Mal do século: insônia afeta mais de 73 milhões de brasileiros
Mal do século: insônia afeta mais de 73 milhões de brasileiros

Mal do século: insônia afeta mais de 73 milhões de brasileiros

A Semana Nacional do Sono desperta a atenção para insônia, que cresceu ainda mais durante o período de pandemia

A insônia é um distúrbio do sono caracterizado pela dificuldade de dormir, ou conseguir manter o ciclo de sono sem interrupções durante a noite. O psiquiatra Fábio Aurélio Leite, médico convidado pela indústria farmacêutica Prati-Donaduzzi para esclarecer o assunto, explica que a insônia não é, necessariamente, passar a noite toda sem dormir; ela pode se manifestar como uma alteração na qualidade do sono, ou seja, não só dormir pouco, mas dormir mal, e outros fatores como acordar no meio da noite e se sentir cansado durante o dia.

“O principal sintoma a se considerar em relação à insônia é em como ela afeta o seu dia a dia, ou seja, se a pessoa percebe uma dificuldade em desempenhar suas atividades por conta de noites mal dormidas”, explica o médico. Há pessoas que dormem, em média, 4 ou 5 horas por noite e se sentem descansadas e dispostas durante o dia todo, o que não é o caso quando a pessoa está sofrendo de insônia.

Nos últimos anos, a insônia passou a ser inimiga de grande parte da população, e, por conta disso, deixou de ser um assunto tabu, além de ser uma doença constantemente estudada por especialistas. Segundo pesquisa da Associação Brasileira do Sono (ABS), 73 milhões de brasileiros sofrem de insônia. Em grandes cidades, como São Paulo, em que o ritmo de vida é muito agitado, os índices são bem altos. Dados do Instituto do Sono (EPISONO) revelam que 45% da população paulistana queixa-se de insônia ou dificuldade para dormir.

Principais causas

A causa da insônia é explicada por especialistas por meio do modelo teórico de Spielman que consiste em três fatores, que são conhecidos como os 3 Ps:

  • Predisponentes, ou fatores de pré-disposição;
  • Precipitantes;
  • Perpetuantes.

O psiquiatra explica que o fator predisponente é aquele que aparece em pessoas que possuem uma pré-disposição a ter dificuldades em pegar no sono, como uma pessoa hiper alerta, ou que possuem comorbidades como ansiedade e depressão, que são doenças que coexistem com a insônia, ou seja, não necessariamente uma é causadora da outra, mas elas possuem potencial para intensificar o quadro como um todo.

Já o fator precipitante é causado por acontecimentos que geram gatilhos emocionais como estresse e tristeza. Os exemplos são doenças, a perda de um ente querido, pressão no ambiente de trabalho, ou medos e frustrações causadas por situações como a pandemia, e a circunstância de isolamento social. “No último ano, o número de pessoas que alegam sofrer de insônia aumentou muito por causa da pandemia”, conta o psiquiatra.

E o último fator, o perpetuante, são os maus hábitos que atrapalham nosso sono, como comer muito antes de ir para cama, fazer atividades físicas tarde da noite, beber muito café durante o dia, entre outros.

Tratamento

Como já foi mencionado, não é apenas uma ou duas noites mal dormidas que caracterizam a insônia. Por isso, é preciso monitorar os sintomas durante duas a três semanas, e caso eles persistam, é recomendado procurar ajuda médica. Quanto mais cedo a pessoa procurar um médico, mais rápido será possível tratar e melhorar o quadro da insônia, afirma o Dr. Leite.

O tratamento envolve Terapia Cognitiva Comportamental (TCC), que se trata de uma abordagem da psicoterapia, feita por um médico especializado. A TCC ajudará principalmente pacientes com fatores predisponentes, como a depressão. A medicação é indicada em casos clínicos quando receitado e acompanhado por médico. E a higienização do sono, que são várias medidas adotadas para ajudar a melhorar o sono, é utilizada em paralelo com os outros tratamentos.

Dicas para dormir melhor

As causas perpetuantes, ou seja, os maus hábitos adquiridos com o tempo são fatores que podem ser evitados. Se as outras causas precisam de mais atenção e acompanhamento médico para tratar, os hábitos podem ser mudados com o tempo e têm a possibilidade de colaborar com noites bem dormidas.

Veja algumas recomendações do psiquiatra de como fazer a higiene do sono:

  • Manter o quarto arejado com pouca ou nenhuma claridade;
  • Consumir pequenas doses de produtos com cafeína, principalmente à noite;
  • Evitar tirar sonecas durante o dia;
  • Não comer muito antes de deitar-se;
  • Evitar exercícios físicos tarde da noite;
  • Diminuir o uso de aparelhos celulares e televisão antes de dormir;
  • Manter uma rotina de sono, mesmo aos finais de semana.

*Este conteúdo é elaborado pela indústria farmacêutica Prati-Donaduzzi, com o objetivo de levar mais informações sobre saúde à população. A empresa também oferece para médicos, de forma exclusiva, o acesso a conteúdos sobre diversas patologias, entre outros materiais no website: https://www.evolucaoparavida.com.br/.

Cadastre-se para receber as matérias também via WhatsApp

Portais de Notícias 2A+

Conteúdos exclusivos, matérias, entrevistas, artigos, eventos e muito mais todo dia, a qualquer momento, para fazer de você o seguidor melhor informado.

Jornalismo feito por Jornalistas.

Integramos os elos entre a indústria, os fornecedores, o varejo e o consumidor. A Qualidade que seleciona seguidores de Qualidade.

Os fornecedores que prestigiamos são os nossos anunciantes.

Faça network com o mercado, não disperse tempo e dinheiro, anuncie conosco. Quem tem poder de decisão está nos Portais 2A+. 

The best way to access the Brazilian life sciences industry market.

 

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Fale com os gestores