sábado , 25 maio 2024
Capa » Notícias » Lucro líquido da Hypera sobe 7% no trimestre

Lucro líquido da Hypera sobe 7% no trimestre

A Hypera Pharma, antiga Hypermarcas, registrou um lucro líquido de R$ 321,2 milhões no primeiro trimestre deste ano, cifra 7,1% acima da registrada no mesmo período do ano passado, de R$ 299,8 milhões. Segundo a empresa, o lucro líquido das operações continuadas somou R$ 330,8 milhões, representando uma expansão de 9,5% frente ao resultado líquido do mesmo período do ano passado, neste critério, de R$ 302,2 milhões.

O resultado líquido foi beneficiado no primeiro trimestre pela contabilização do crédito tributário relacionado à decisão favorável sobre a exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS, no valor de R$ 546,4 milhões.

O lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) das operações continuadas atingiu R$ 401,4 milhões entre janeiro e março, desempenho 10,7% superior ao do mesmo período de 2018. Segundo a empresa, esse crescimento resultou, principalmente, da combinação da redução da receita líquida por conta da diminuição das vendas em produtos de prescrição e “consumer health”, relacionada ao processo de otimização de seu capital de giro, além da contabilização do crédito tributário relacionado à decisão favorável sobre a exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS. A receita líquida somou R$ 383,6 milhões, queda de 58,7%.

O lucro bruto foi de R$ 185,9 milhões no primeiro trimestre, representando uma queda de 73,1% na comparação com o mesmo intervalo de 2018. A margem bruta, por sua vez, recuou 25,8 pontos porcentuais, para 48,5%. De acordo com a empresa, as retrações são consequência da menor receita líquida, do efeito mix de produtos no trimestre – dada a maior relevância de similares e genéricos nas vendas do período – e pela menor diluição dos custos fixos de produção por conta da redução da receita líquida.

O resultado financeiro líquido ficou negativo de R$ 1,8 milhão no primeiro trimestre deste ano, ante saldo positivo de R$ 1,1 milhão de um ano antes. “Essa variação também resulta do início da contabilização dos juros relacionados aos ativos de direito de uso conforme a adoção do CPC 06/IFRS 16”, destacou a empresa. Os custos do hedge e variação cambial foram negativos em R$ 1,0 milhão, ante um saldo negativo de R$ 2,2 milhões um ano antes.

Fonte: Terra

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

× Fale com os gestores