quinta-feira , 22 agosto 2019
Capa » Notícias » Alunos da USP criam software que prevê risco de doenças crônicas

Alunos da USP criam software que prevê risco de doenças crônicas

Estudantes da Universidade de São Paulo (USP) criaram uma nova tecnologia, chamada “Blue”, que integra e analisa diversos tipos de informações relacionadas à saúde, como dados hospitalares e laboratoriais (consultas, exames, nível de glicose etc.), hábitos alimentares, frequência de atividade física e histórico familiar.

O programa de computador usa técnicas de inteligência artificial e aprendizado de máquina para estimar as chances de o usuário ser acometido por uma enfermidade específica.

“A nossa missão é prever doenças crônicas antes que elas cheguem a estados irreversíveis”, disse Igor Marinelli, aluno do curso de Engenharia de Computação, oferecido em conjunto pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) e pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), ambos da USP.

Marinelli e Rafael Rejtman, aluno do curso de Engenharia Mecatrônica da Escola Politécnica (Poli) da USP, são cofundadores da startup que leva o nome do software, Blue. Também faz parte da equipe o administrador Pedro Freire.

Os três estiveram na entrega do prêmio HackBrazil, uma das atrações da conferência realizada pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e pela Harvard University entre os dias 5 e 7 de abril, em Boston, Estados Unidos. O evento é realizado pela comunidade brasileira de estudantes. Por conquistarem a liderança na competição, os criadores da Blue receberam R$ 75 mil para investir no crescimento da empresa. Os recursos já têm destino previsto: aumentar as fontes de dados usados pelo software, aprimorar os dispositivos de análise e previsão e potencializar o número de dados genéticos disponíveis.

Por enquanto, as informações são extraídas do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) e da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. Até agora, o sistema consegue prever os riscos de uma pessoa ser diagnosticada com diabetes e doenças cardiovasculares. Mas o objetivo da Blue é aperfeiçoar o software para a previsão de outras patologias, como Alzheimer, hipertensão, doenças respiratórias, câncer e problemas metabólicos, como obesidade.

Mais informações: www.sel.eesc.usp.br/sel/?p=7479.

Fonte: Agência FAPESP

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*