sábado , 14 dezembro 2019
Capa » Artigos técnicos » Indústria 4.0: descubra as vantagens de investir na automação
Indústria 4.0: descubra as vantagens de investir na automação

Indústria 4.0: descubra as vantagens de investir na automação

A inovação, termo muito comum nos centros de estudos e pesquisas, da mesma forma como no ambiente empresarial e nas grandes organizações, alcançou também, aos poucos e por diferentes meios, o setor industrial. Diante disso, muitos afirmam que estamos vivendo a Quarta Revolução Industrial, também conhecida como Indústria 4.0.

De fato, já faz bastante tempo que as máquinas e os equipamentos estão substituindo as mãos dos homens. Ainda assim, o mundo todo continua avançando no sentido da automação, uma perspectiva que essas máquinas têm de operarem sem qualquer intervenção humana no comando.

Como novidade, o que a Indústria 4.0 apresenta de melhor é o avanço tecnológico e a sua capacidade de elevar a automação à potência máxima, permitindo que os bots exerçam novos papéis e assumam atribuições cada vez mais complexas.

Neste artigo, então, explicamos o conceito, como funciona, quais as vantagens de investir na automação e as principais tendências ligadas à Indústria 4.0. Por isso, continue a leitura e confira!

Afinal, como surgiu e o que é a Indústria 4.0?

O termo teve sua origem a partir de um projeto de iniciativa do governo da Alemanha de estratégias voltadas à tecnologia, e foi usado pela primeira vez, em 2011, na Feira de Hannover.

Assim sendo, no final de 2012, o grupo incumbido pelo projeto ministrado por Henning Kagermann e Siegfried Dais, apresentou ao Governo Federal da Alemanha um relatório de recomendações, com o intuito de planejar sua implantação. No ano seguinte, na mesma feira, foi publicado um trabalho final sobre o desenvolvimento da Indústria 4.0.

Trata-se de um conceito que tem como fundamento básico a premissa de que, com a integração de ativos, máquinas e sistemas, as organizações têm mais condições de criar redes inteligentes ao longo de toda a cadeia. Por sua vez, essas redes são capazes de comandar os módulos da produção de maneira autônoma.

Isso significa que, na Indústria 4.0, as fábricas têm tanto autonomia quanto capacidade de antever falhas nos processos, agendar manutenções, assim como de se adequar aos requisitos e às modificações não planejadas no processo produtivo.

Como funciona a Indústria 4.0?

Descrevemos em seguida os seis princípios que dão características ao projeto e explicam com clareza como funciona esse novo modelo de indústria. Veja!

Tempo real

Como os sistemas são capazes de apanhar e dar tratamento aos dados de maneira instantânea, isso viabiliza escolhas e decisões mais qualificadas, e em tempo real.

Virtualização

Graças a sensores espalhados por toda a planta das fábricas inteligentes, a virtualização é um modelo de uma cópia virtual desses locais. Dessa forma, é possível monitorar e rastrear remotamente todos os processos.

Descentralização

Como as máquinas passam a ter uma capacidade de autoajuste, elas também se tornam responsáveis por tomar decisões. Da mesma forma, conseguem fornecer informações acerca de seus ciclos de operação e a avaliar, em tempo real, as necessidades da fábrica.

Orientação a serviços

Integrados com toda a indústria, os softwares são voltados a proporcionar e disponibilizar soluções simples como serviços.

Modularidade

De acordo com a demanda da fábrica, os módulos se acoplam e se desacoplam, e isso é algo que possibilita bastante flexibilidade no momento de alteração de tarefas.

Interoperabilidade

Esse princípio segue a ideia da Internet das Coisas (IoT), em que os sistemas e as máquinas tenham possibilidade de se comunicar entre si.

Quais as vantagens de investir na Indústria 4.0?

Qualquer empresa deve apostar continuamente em inovação e tecnologia e, quando falamos de indústria, isso se torna ainda mais relevante.

Afinal, é por meio dessas soluções que um empreendimento será capaz de ofertar produtos melhores e mais bem elaborados a seus clientes. Nesse sentido, vale destacar os benefícios da Indústria 4.0, que já estão mais do que provados no mercado. Acompanhe!

Auxilia no planejamento estratégico

Por meio do princípio da modularidade e com máquinas inteligentes, a produção torna-se muito mais flexível e essa também é uma oportunidade para ter menos funcionários em tarefas operacionais e mais profissionais com funções estratégicas.

Desse modo, o planejamento estratégico torna-se mais efetivo. Além disso, o gestor, ao identificar tendências e demandas do mercado, terá subsídios para agir com muito mais velocidade se julgar que deve lançar um novo produto.

Reduz falhas e perdas nos processos

A minimização da necessidade de intervenção humana nos processos de fabricação e montagem reduz substancialmente os riscos de erros em toda a operação. No mesmo sentido, as máquinas podem ser programadas para atingirem um nível mínimo de acertos, diminuindo também as perdas.

Promove a produtividade

Se a ideia é aumentar a conectividade entre os departamentos, parceiros e fornecedores; com as redes de integração de dados universais na Indústria 4.0 isso é perfeitamente possível.

A verdade é que essa conectividade acaba com a falta de comunicação dentro de um projeto, ultrapassando os limites do departamento e, claro, com um aumento considerável da eficiência e da produtividade.

Melhora as condições de trabalho

Embora a Inteligência Artificial e o aprendizado das máquinas estejam impulsionando a Indústria 4.0, a contribuição humana ainda é fundamental. Enquanto as soluções tecnológicas têm grande autonomia, os indivíduos precisam controlá-las e fornecer orientação — além de coletar, analisar, comparar e aplicar os dados.

Diante disso, podemos afirmar que a tecnologia tem um papel universal e cada vez mais relevante, mas a principal mensagem é que as fábricas inteligentes estão melhorando as condições de trabalho, capacitando ainda mais a força de trabalho humana e não a substituindo.

Aumenta a competitividade

A marca que deseja se consolidar no mercado deve estar orientada a inovar sempre, em função da alta competitividade. Até porque, a concorrência certamente está sempre em busca de outras maneiras de crescer, obter mais lucro e, obviamente, se destacar.

Isso significa que é preciso ter muita atenção às novas tecnologias e implementar atuais modelos de estratégia, que sejam capazes de trazer resultados efetivos para conquistar um diferencial competitivo.

Quais as principais tendências da Indústria 4.0?

Cada conceito da manufatura inteligente tem as suas especificidades, mas todos têm em comum o mesmo objetivo: fazer com que as máquinas fiquem mais eficientes. A seguir, apresentamos algumas soluções tecnológicas que são as tendências mais fortes do setor. Veja!

Internet das Coisas (IoT)

Da sigla em inglês “IoT” (Internet of Things), trata-se de um conceito que aborda a conexão de máquinas e aparelhos físicos à rede. Não estamos falando de contar com mais dispositivos a fim de ter acesso à internet, mas sobre hiper conectividade, auxiliando a tirar melhor proveito do uso de objetos.

Em muitos lugares do mundo isso já acontece nas residências das pessoas, com aparelhos como geladeira, televisão, som e ar condicionado, por exemplo.

No entanto, a Internet das Coisas, como um dos pilares da Indústria 4.0, também está presente nas fábricas, por meio de máquinas que geram relatórios instantâneos e diferenciados com vários detalhes sobre a operação para o software de gestão em nuvem.

Big Data

A manufatura inteligente permite coletar, compreender e agilizar dados de diversas fontes, incluindo equipamentos de produção, sensores em rede e sistemas de gestão de clientes. Isso aprimora ainda mais a tomada de decisões, em tempo real.

Computação em Nuvem

Nesse modelo os sistemas são abrigados em servidores compartilhados e interconectados pela internet, de forma que possam ser acessados a partir de qualquer local do mundo.

No âmbito da indústria 4.0, essa configuração significa extrapolar as barreiras dos servidores da marca e ampliar todas as possibilidades de conectividade entre diversos sistemas. Tudo isso de forma bem mais eficiente e ágil, além de gerar menos custos do que o antigo modelo.

Inteligência Artificial (IA)

Por meio do uso de Big Data e da Internet das Coisas, podemos afirmar que uma fábrica já tem as ferramentas básicas para fazer parte do contexto da Indústria 4.0.

Entretanto, se a ideia é ter uma atuação realmente inovadora, é preciso contar também com a Inteligência Artificial (IA), ou seja, o fator que viabiliza a tomada de decisão por parte da máquina sem necessidade da interferência humana.

Software de gestão

Para que o projeto de Indústria 4.0 tenha sucesso, é fundamental que haja a consolidação de um conjunto de padrões técnicos de comunicação e segurança como elemento-chave por meio de um bom software de gestão.

Com ele, a troca de informações entre os departamentos, os diferentes tipos de dispositivos e os sistemas fica assegurada. Nesse sentido, são eliminadas todas as restrições relacionadas aos padrões vigentes.

Pode até ser que a Indústria 4.0 demore para se difundir completamente no Brasil, mas o fato é que ela já está aí. Trata-se de uma inevitável tendência mundial, afinal, os processos de produção continuarão se alterando e as máquinas serão cada vez mais inteligentes.

Assim sendo, em vez de acreditar que a tecnologia representa um grande obstáculo ou desafio e temer a Indústria 4.0, é essencial se antecipar às inovações que a realidade nos traz, sempre pensando em novas maneiras de potencializar ainda mais seus impactos positivos.

Fonte: Rigor Validação e Automação

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Fale com os gestores