sábado , 21 julho 2018
Capa » Indústria farmacêutica

Indústria farmacêutica

Novartis anuncia novo CEO no Brasil

A farmacêutica Novartis anuncia Alexandre Gibim como novo CEO no Brasil. O executivo assume a liderança do grupo e chega com a missão de potencializar as oportunidades do negócio, com o lançamento de cerca de 50 produtos nos próximos cinco anos, ampliar o acesso a medicamentos inovadores e trabalhar para criar um ambiente de colaboração entre os vários negócios da companhia no Brasil. Leia Mais »

Parceria entre EMS e Faculdade São Leopoldo Mandic leva cuidados médicos às comunidades ribeirinhas de Santarém (PA)

De 22 a 31 de julho, com o apoio da EMS, o projeto Barco da Saúde, organizado por professores e alunos da Faculdade São Leopoldo Mandic, levará medicamentos e cuidados médicos e odontológicos para as populações ribeirinhas de Santarém, no Pará. O objetivo do grupo é realizar mais de dois mil atendimentos a crianças, adolescentes, adultos e idosos que vivem às margens dos rios Tapajós, Arapiuns e Amazonas. Leia Mais »

Aché é eleita a empresa farmacêutica mais inovadora do Brasil

Tetracampeã do setor, companhia também é destaque entre as 10 empresas mais inovadoras do país no prêmio Valor Inovação. Leia Mais »

Holding da qual faz parte a EMS abre inscrições para Programa de Trainee 2018

O Grupo NC, proprietário da EMS, a maior indústria farmacêutica no Brasil, convida profissionais formados há no máximo três anos para participar do Programa de Trainee 2018, batizado de “Mais espaço para a sua carreira”. Leia Mais »

Daiichi-Sankyo põe Brasil no centro da estratégia para a América Latina

Maior farmacêutica do Japão e constituída a partir da fusão de dois laboratórios centenários, a Daiichi-Sankyo, dona do anti-inflamatório Hirudoid, transformou a fábrica que opera no Brasil em centro de produção para a América Latina e poderá usar a estrutura local para atender novos mercados internacionais, entre os quais o Canadá.
Leia Mais »

Abbott acelera ritmo de lançamentos no Brasil

Com o objetivo de manter a operação brasileira no grupo das dez maiores afiliadas no mundo, a Abbott acelerou o ritmo de lançamentos no país e tem buscado maior aproximação com o consumidor. No ano passado, elevou a sete o número de novos produtos introduzidos no mercado brasileiro, contra uma média de um ou dois por ano entre 2012 e 2016. Em 2018, a intenção é repetir esse desempenho e, a partir de 2020, lançar anualmente pelo menos dez produtos e tecnologias, disse ao Valor o gerente geral da Abbott Brasil, Juan Carlos Gaona.

Esse resultado será possível graças também ao aporte de R$ 20 milhões em um centro de desenvolvimento farmacêutico no Rio de Janeiro, junto à fábrica de Jacarepaguá. Inaugurado em 2016, o centro, onde a companhia se dedica ao desenvolvimento de produtos adequados às necessidades locais e produz dossiês que serão submetidos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), deve chegar à plena operação em 2020.

Saúde mental, cardiologia, ginecologia, gastroenterologia e doenças respiratórias estão no foco da operação local. “Esperamos ver um progresso interessante de lançamentos em 2018. O mercado de saúde passa por uma dinâmica não muito positiva, mas é resiliente”, disse Gaona.

Embora o mercado não demonstre o mesmo vigor de anos anteriores, a operação local da Abbott segue registrando vendas acima do projetado, com o desempenho melhor do que o previsto de produtos lançados recentemente – em 2017, por exemplo, a empresa lançou no país a primeira lactase mastigável para pessoas com intolerância à lactose (LacLev).

Em maio, enquanto o mercado farmacêutico nacional cresceu 6,9% em reais, as vendas do laboratório americano subiram 8,5% na comparação anual. Para o ano, a expectativa é de crescimento de 9% a 10% do mercado, já que o desempenho no mês passado parece ter sido pontual e não indicativo de uma tendência, na avaliação do executivo. Na companhia, as vendas de medicamentos devem crescer acima desse percentual.

As receitas da Abbott no Brasil, que no ano passado totalizaram R$ 1,7 bilhão, estão distribuídas de maneira equilibrada em quatro áreas de negócio: farmacêutica, nutrição, diagnósticos e dispositivos médicos. No mundo, as vendas da unidade Farma estão restritas aos mercados emergentes, que têm peso relevante nos negócios internacionais. Da receita global de US$ 27,4 bilhões no ano passado, 65% vieram de mercados fora dos Estados Unidos – em 2012, houve a separação do negócio de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos em uma nova empresa, a AbbVie.

Além do investimento direto no país, a operação local da Abbott cresceu na esteira de duas aquisições globais anunciadas entre o fim de 2016 e o ano passado. A primeira foi a da St. Jude Medical, que opera uma fábrica de última geração de válvulas cardíacas em Belo Horizonte (MG), ampliando o portfólio de dispositivos médicos da companhia, que já era líder em stents farmacológicos (usados para desobstrução de artérias) e tinha presença relevante em cuidados para diabetes.

A compra ajudou a afiliada brasileira a avançar no ranking global da Abbott, já que a St. Jude tem peso relevante no Brasil. Em outubro, a companhia concluiu ainda a compra da Alere, que a levou para o topo no mercado global de testes de diagnósticos rápidos, um dos negócios que mais cresce na área de diagnósticos in vitro.

Do lado dos pacientes, a Abbott mantém no Brasil um programa de relacionamento que vai além da concessão de descontos e inspirou uma iniciativa global, prestes a ser lançada pela farmacêutica americana. Chamado “Abrace a Vida”, o programa tem cerca de 1 milhão de pacientes ativos e foi o ponto de partida para desenvolvimento da plataforma mundial “a:care”.

Fonte: Valor Econômico

Arese Pharma automatiza processo fiscal com a Focus IT

Indústria farmacêutica ganha agilidade, reduz custos e garante o compliance fiscal com a automatização de notas no SAP. Leia Mais »

EMS e Bosch firmam parceria estratégica para implementar a primeira Indústria 4.0 no setor farmacêutico na América Latina

Máquinas conectadas elevarão a produção e trarão ainda mais eficiência aos processos da EMS. Leia Mais »

Sanofi revê estratégia de marca e aposta em volumes em 2018

Uma das maiores farmacêuticas do mundo, a Sanofi reviu sua estratégia de marca no Brasil e está acelerando iniciativas para se consolidar como a mais digital entre os laboratórios presentes no país, inclusive sob a ótica do consumidor. Em plena transformação e com receitas de EUR 1,13 bilhão em 2017, ou cerca de R$ 4,9 bilhões pelo câmbio atual, a operação brasileira registrou nos primeiros meses de 2018 o melhor desempenho de vendas em relação às taxas do mercado dos últimos cinco anos, disse  o diretor-geral da farmacêutica, Pius Hornstein. Leia Mais »

Teuto reafirma cultura de excelência através de ações com equipe

Por meio de ações de endomarketing, o Teuto reafirma a cultura de excelência produtiva e valoriza o colaborador com prêmios. A companhia promove mensalmente as ‘Olimpíadas da Qualidade’. O programa sorteia, avalia e premia, em todos os setores e turnos do laboratório, as linhas de produção, conforme as normas de Boas Práticas de Fabricação (BPF’s) e o regulamento da ação. Leia Mais »